8 Livros para aprender mais sobre a cultura japonesa

[ADS] Anúncio

Ler é um ato capaz de mudar vidas. Também é a mola propulsora para a boa educação de um país. Os livros, quando lidos, se armazenam nas mentes de quem os lê, de modo que a personalidade do leitor muda conforme a leitura se aprofunda cada vez mais. Os livros são, também, a ferramenta para se compreender melhor as nuances de determinadas culturas. A cultura japonesa pode ser melhor compreendida a partir de bons textos e, sobretudo, bons livros.

Neste artigo, recomendarei alguns. Para os que não gostam de ler, recomendo que tentem começar a criar esse hábito, tendo em vista que o conhecimento nos transforma em pessoas melhores. Aos que já gostam, espero que aproveitem as sugestões que comentarei a seguir. No Brasil, infelizmente, ainda não se criou um hábito sólido de leitura. Mas quem sabe um dia não é mesmo?

Guia de estudos para aprender japonês

Leia nosso artigo com os melhores livros para aprender o idioma japonês clicando aqui!

Se você tem alguma sugestão de livro e ele por acaso não aparecer aqui nesta lista, sinta-se a vontade de nos dizer nos comentários. Toda sugestão será bem-vinda.

Dito isto, vamos a lista!

1. Os Japoneses – Célia Sakurai

Um dos melhores livros para aprender sobre a cultura japonesa. Assim defino Os Japoneses, de Célia Sakurai; um compêndio que reune os mais diversos aspectos sobre o Japão – Mitologia, Agricultura, Economia, Sociedade, Família, História, Política e Cultura Pop são alguns dos temas abordados. De fácil entendimento, os capítulos resumem com qualidade e vigor cada um dos principais elementos relacionados a Terra do Sol Nascente.

Para os que desejam um apanhado geral do que faz o Japão ser o Japão, por meio de uma leitura fácil e divertida (carregada de fotos, gráficos e ilustrações), Os Japoneses (2007), da editora Contexto, é, sem dúvida, a melhor escolha.

Abaixo, trechos da entrevista da autora no programa do Jô:

Os Japoneses – Célia Sakurai no Programa do Jô 1/2 – YouTube

Os Japoneses – Célia Sakurai no Programa do Jô 2/2 – YouTube

2. História Concisa do Japão – Brett L. Walker

A história do Japão é cheia de guerras, disputas entre clãs, senhores feudais, samurais, ninjas, imperadores, shoguns e transformações econômicas. Para abarcar uma história tão rica e antiga, é necessário um livro específico para isto.

História Concisa do Japão, do norte-americano Brett L. Walker, é precisamente o que procuramos. Abordando desde a pré-história japonesa, quando o país ainda era tratado pelos chineses e coreanos como Reino de Wa (Reino “anão”, em tradução livre), até a contemporaneidade, o livro se pauta pela importância de se aprender, também, sobre os desastres naturais e as consequências ambientais do mundo capitalista globalizado, no qual o Japão e outras potências mundiais estão inseridas.

Ótimo para os amantes de história em geral!

3. Tempo e Espaço na Cultura Japonesa – Shuichi Kato

Livro filosófico que disserta sobre a questão do tempo (e do espaço) na cultura japonesa. Caracterizada por se constituir como uma “cultura do presente”, isto é, voltada para o momento em que as coisas são vividas, a sociedade japonesa carrega consigo um medo constante do futuro, justificado pelas incertezas da natureza (tsunamis, terremotos, erupções vulcânicas, tufões e desastres nucleares futuros) territorial.

Até mesmo na línguagem vemos uma tendência constante de expressar o presente, tendo em vista a forma gramatical ます (masu) que impele uma ação tanto no presente quanto no futuro. O futuro no idioma japonês é algo bastante obscuro e, muitas vezes, negligenciado. Temos uma estrutura gramatical para o passado concluído e para o presente/futuro. Nesse sentido, é válido nos questionarmos o porquê disso.

Na contracapa do livro, temos a seguinte citação, que resume bem do que trata essa temática:

“Em todos os níveis da sociedade japonesa, há uma forte tendência
de se viver o presente, deixando o passado ser levado pelas águas e
confiando o futuro à direção do vento. O sentido dos acontecimentos do presente se define por si mesmo, independentemente da relação entre a história passada e a finalidade futura.”

4. Introdução à Cultura Japonesa: Ensaio de Antropologia Recíproca – Hisayasu Nakagawa

Curto, com cerca de 128 páginas, elaborado a partir de um conjunto de ensaios/coletâneas, publicado no Brasil pela editora Martin Fontes, Introdução à Cultura Japonesa: Ensaio de Antropologia Recíproca é um livro antropológico que aborda a cultura japonesa desde um ponto de vista ocidental, mais especificamente francês, por meio de uma escrita fluida e que contribui muito para o aumento do conhecimento acerca do país e de sua cultura.

O livro pode ser adquirido na Amazon e em outras lojas online. Em lojas físicas, é difícil encontrá-lo, sobretudo em regiões mais afastadas do país (fora do eixo Rio-São Paulo).

5. O Livro do Chá – Kakuzo Okakura

Ao contrário do que diz o título, “O Livro do Chá”, escrito por Okakura Kakuzō, não é um livro sobre chás, mas sim um ensaio que tenta relacionar aspectos da cultura japonesa com a tradição da cerimônia do chá, trabalhando a questão do antagonismo entre antiguidade e modernidade, aspecto tão presente no Japão contemporâneo.

Outros assuntos são abordados, como a questão da influência do Zen-Budismo, do Taoísmo e da arquitetura na cultura japonesa e na vivência da cerimônia do chá.

Um livro riquíssimo, que vale muito a pena!

6. Os Analectos – Confúcio

Confúcio, importante pensador chinês, influenciou inúmeros panoramas da vida social no oriente. Desde os ideais de lealdade, sabedoria, obediência e autoridade até as questões familiares, governamentais e psicológicas, Confúcio é um dos pais do mundo oriental, dando nome ao que se chama de “Confucionismo”, a doutrina política, filosófica, religiosa e social que dominou a China durante séculos e ainda possui força quando o assunto é cultura japonesa e suas influências determinantes.

Os Analectos é o livro mais famoso e mais importante do confucionismo. Para os que desejam ler, saiba que nem tudo se aplica ao Japão moderno, mas muitos dos versos constituíram ensinamentos que perpassaram várias gerações.

7. Psicologia e Religião Oriental – Carl G. Jung

Aos amantes de psicologia temos também uma excelente opção para os que desejam entender melhor a cultura japonesa e a mentalidade oriental.

Psicologia e Religião Oriental, do célebre psiquiatra e médico suíço Carl Jung (criador da Psicologia Analítica ou Psicologia dos Arquétipos), é um livro denso, complexo, rico em informações e reflexões filosóficas.

Aqui, Jung aborda a diferença entre o pensamento ocidental e o pensamento oriental, trazendo a tona temas como Budismo, Hinduísmo, Cultura Chinesa, Tao te ching e História para traçar a questão do monismo oriental que se contropõe ao pensamento dualista ocidental (racionalismo).

8. A Cultura Japonesa Pré-industrial: Aspectos Socioeconômicos – Nobue Myazaki

Aborda a convivência entre dois aspectos fundamentais da cultura japonesa: a alta tecnologia e as tradições pré-industriais. Uma sociedade que mescla o velho e o novo, o moderno e o antigo, a tecnologia urbana e a natureza rural. O livro é dividido em partes que abordam Antropologia, Economia e Tecnologia, num total de pouco mais de 144 páginas.

Tsundoku – a arte de comprar livros e não ler

E aí? Gostou das dicas? Então comente, curta e compartilhe nas redes sociais!

Compartilhe Este Artigo: