Tanuki – O cão guaxinim japonês


Post by //

[Total: 0 Nota: 0]


O tanuki (狸) ou cão guaxinim japonês é um pequeno animal canino do Japão, podendo chegar a 65 cm de comprimento e pesar de 4 a 10 kg. Uma das suas características físicas mais reconhecida são suas marcações negra ao redor dos olhos. Eles podem ser encontrados nas montanhas e planícies, mas são comuns nos bosques e vistos até mesmo em povoados.

Em algumas regiões do Japão o cão guaxinim tanuki pode ser conhecido pelo nome de mujinaAlguns questionam se um tanuki é um cão, guaxinim ou texugo, já que a palavra mujina é usada para ambos.

Tanuki - O cão guaxinim japonês


Comportamento e estilo de vida

Eles são onívoros, mas podem comer tanto sementes como rãs, lagartos e pequenos roedores. Apesar de serem animais selvagens, não são animais agressivos, preferem fugir de uma luta até mesmo se fingem de morto para evitar ameaças ou predadores.

São animais que possuem apenas um parceiro durante a sua vida, sua gestação dura aproximadamente 60 dias, e o macho ajuda a criar os filhotes suprindo tanto os eles como a companheira na alimentação ate o período de desmama que dura 50 dias após o nascimento. Veja um vídeo sobre tanuki abaixo:

Eles são os únicos da sua espécie que no período frio do ano entram em um estado parecido com a hibernação, mas antes disso chegam a aumentar sua massa corporal em 50% armazenar a gordura. Também possui outras características peculiares como garras curvas que possibilitam eles a escalar árvores, e seus dentes são relativamente pequenos.

Mesmo havendo de relatos de pessoas que criam eles como animais domésticos, muitos caçam esses pobres animais para usarem sua carne reputada por ter qualidades medicinais e sua peles para vestuário. Em um levantamento feito entre 2004 e 2005 apontou-se que cerca de 1,5 milhão de cães-guaxinim estariam sendo criados para o uso da pele, tanto é que 11%  de todos animais caçados no Japão são os Tanukis. Mas já são feitos esforços para controlar e inibir esse tipo de pratica em todo o país.

Como a raposa, o Tanuki é representado com frequência no folclore japonês com a capacidade de mudar sua forma original. Ele é retratado em pinturas e estátuas usando um chapéu de palha e segurando uma garrafa de saquê. Ele também aparece nas artes com uma barriga grande e um escroto enorme. São retratados em contos como seres brincalhões, alegres e amigáveis mesmo assim possuem tendências maliciosas.

Tanuki - O cão guaxinim japonês


Tanuki na cultura japonesa

Mesmo sendo retratado pelos antigos como um mostro assustador e misterioso, hoje ele se transformou em uma retratação de generosidade, diversão e inocência, tanto é que suas estátuas são muitas vezes vistas em empresas japonesas e nas casas das pessoas, e especialmente do lado de fora de restaurantes e bares para atrair a clientela.

Alguns acreditam em um tanuki lendário que pode trazer boa fortuna e sorte. Esse tanuki possui oito traços que muitas vezes são encontrados em garrafas de sake e estátuas. Existe até mesmo um festival chamado Awa no Tanuki, que acontece em Tokushima no mês de novembro.

O tanuki ficou conhecido no ocidente principalmente através de jogos como em Super Mario Bros 3. Onde o personagem Mario adquiri uma fantasia chamada Tanooki Suit, que lhe da a habilidade de voar e de se transformar em uma estátua que não pode ser invencível.

Tanuki - O cão guaxinim japonês

Diversos animes e jogos possuem personagens que representam o tanuki, tanto como animal ou como um ser meio humano. Existem muitas outras curiosidades sobre o tanuki, mas fica pra outra hora.



Gostou de conhecer um pouco sobre os Tanuki? Já chegou a ver algum pessoalmente? Já percebeu alguma referencia em animes e mangas? Espero que tenham gostado do artigo. Agradecemos os comentários e compartilhamentos. Para finalizar vamos deixar outros artigos para você ler abaixo:

Por Favor! Compartilhe Nosso artigo:

1 comentário sobre “Tanuki – O cão guaxinim japonês

  1. Olá! Conheci os Tanukis por meio de (mais) uma maravilhosa animação dos estúdios GIBLI, Não me lembro do nome,
    mas vale a pena pesquisar: é a respeito da invasão das florestas, da destruição da natureza em geral pela tecnologia – na verdade, pela ambição humana.

Comentários do site