Massacre de Nanquim – Lado Negro do Japão

,
Post by //

[Total: 1 Nota: 5]


Nanquim foi onde aconteceu uma das maiores catástrofes na guerra contra o Japão. O massacre de Nanquim foi um episódio de assassinato e estupro em massa cometido por tropas japonesas contra os moradores de Nanquim, então capital da China, durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937 – 1945). O massacre ocorreu entre dezembro de 1937 e janeiro de 1938, após a captura da cidade.

Durante esse período, soldados do Exército Imperial Japonês assassinaram civis chineses e desarmaram combatentes que somavam cerca de 40.000 a mais de 300.000. As tropas também cometeram estupros e saques à cidade.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Prisioneiros chineses sendo enterrados vivos pelas tropas japonesas

Como a maioria dos registros militares japoneses sobre os assassinatos foi mantida em segredo ou destruída logo após a rendição do Japão em 1945, os historiadores foram incapazes de estimar com precisão o número de mortos do massacre.



Invasão do Japão ao território chinês

Em agosto de 1937, o exército japonês invadiu Shanghai, onde encontraram forte resistência, sofrendo baixas. A batalha foi sangrenta já que ambos os lados tiveram atrito no combate corpo-a-corpo. Em meados de novembro, os japoneses capturaram Shanghai com a ajuda de bombardeios navais.

A sede do Estado Maior General em Tóquio inicialmente decidiu não expandir a guerra devido a pesadas baixas e baixo moral das tropas.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão

No entanto, no dia 1º de dezembro, a sede ordenou que as tropas capturassem Nanquim. Depois de perder a batalha de Shanghai, Chiang Kai-shek, general do exército chinês, sabia que a queda de Nanquim era uma questão de tempo.



O plano de Chiang Kai-shek

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Chiang Kai-shek

Ele e sua equipe perceberam que não podiam arriscar a aniquilação de suas tropas de elite em uma defesa simbólica, mas sem esperanças, da capital. Para preservar o exército para futuras batalhas, a maior parte foi retirada. A estratégia de Chiang era seguir a sugestão de seus conselheiros. A estratégia envolvia atrair o exército japonês para a capital e usar o território como uma força defensiva.

Chiang planejava travar uma prolongada guerra de atrito para desgastar os japoneses no interior da China. Em um comunicado, o comandante Tang Shengzhi anunciou que a cidade não se renderia e lutaria até a morte.

Tang reuniu cerca de 100.000 soldados, em grande parte inexperientes, incluindo tropas chinesas que participaram da Batalha de Shanghai. Para evitar que os civis fugissem da cidade, ele ordenou que as tropas vigiassem o porto, conforme instruções de Chiang Kai-shek.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Kai-shek discursando

A força de defesa bloqueou estradas, destruiu barcos e incendiou aldeias próximas, impedindo a evacuação. Esta rejeição do plano de cessar-fogo de Kai-shek selou o destino da cidade.

Nanquim tinha sido constantemente bombardeada durante dias. As tropas chinesas que lá permaneceram estavam desanimadas e começaram a beber antes da inevitável queda da cidade. Os militares japoneses continuaram avançando, rompendo as últimas linhas da resistência chinesa e chegando nos portões da cidade de Nanquim em 9 de dezembro.

Ao meio-dia de 9 de dezembro, os militares japoneses lançaram panfletos na cidade, exigindo sua rendição dentro de 24 horas. Enquanto isso, membros do Comitê contataram Tang e propuseram um plano de cessar-fogo de três dias. As tropas chinesas poderiam se retirar sem lutar enquanto as tropas japonesas permaneceriam em sua posição atual.

A tomada da cidade de Nanquim

Os japoneses esperaram uma resposta ao seu pedido de rendição. Porém, nenhuma resposta foi recebida até o prazo de 10 de dezembro. O general Iwane Matsui esperou mais uma hora antes de emitir o comando para tomar Nanquim à força.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Prisioneiro prestes a ser decepado por soldado japonês (foto esquerda) e soldados japoneses usando prisioneiros para treinar ataque de baioneta (foto direita)

O exército japonês montou seu ataque às muralhas de Nanquim a partir de múltiplas direções: A 16ª Divisão atacou três portões no leste, a 6ª Divisão lançou a sua ofensiva no oeste e a 9ª Divisão avançou para a área intermédia.

Em 12 de dezembro, sob fogo de artilharia pesada e bombardeio aéreo, o general Tang Sheng-chi ordenou que seus homens recuassem. Daí em diante, foi nada menos do que o caos. Alguns soldados chineses roubaram roupas de civis em uma tentativa desesperada de se misturar. Outros foram baleados pela unidade de supervisão enquanto tentavam fugir.

O massacre cometido pelas tropas japonesas

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão

Relatos de testemunhas oculares de estrangeiros e chineses presentes na cidade relataram tropas japonesas cometendo assassinato, roubo, incêndio e outros crimes de guerra. Alguns dos relatos vieram de estrangeiros que optaram por ficar para trás para proteger os civis chineses.

Outros relatos incluem testemunhos em primeira pessoa de sobreviventes do Massacre de Nanquim, relatos de testemunhas oculares de jornalistas, bem como os diários de campo do pessoal militar. Em 1937, o jornal Osaka Mainichi Shimbun cobriu uma “disputa” entre os oficiais, Toshiaki Mukai e Tsuyoshi Noda.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Jornal citando Mukai e Noda | Toshiaki Mukai (esquerda) e Tsuyoshi Noda (direita)

Os dois homens competiam para ser o primeiro a matar 100 pessoas com uma espada antes da captura de Nanquim. Ambos ultrapassaram seu objetivo durante a batalha, tornando impossível determinar qual oficial tinha realmente “vencido” a competição. Portanto, eles decidiram começar outra competição para matar 150 pessoas.

Posteriormente, após a rendição do Japão em 1945, tanto Mukai quanto Noda foram presos e julgados como criminosos de guerra. Ambos foram considerados culpados e executados pelo pelotão de fuzilamento.

Estupro de mulheres e crianças

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão
Durante a ocupação da cidade, mulheres chinesas foram raptadas e usadas como escravas sexuais. Essas mulheres ficaram conhecidas como “mulheres de conforto”. Na foto: Um soldado japonês com duas mulheres de conforto.

Foi-se estimado que, cerca de 20.000 mulheres chinesas foram estupradas durante a ocupação. Um grande número de estupros foi feito pelos soldados japoneses. Eles iam de porta em porta, procurando por mulheres para ser capturadas e estupradas.

A princípio, as mulheres eram mortas imediatamente após serem estupradas. Muitas vezes eram mortas através de mutilações explícitas. Crianças pequenas não estavam isentas dessas atrocidades e eram também capturadas para que soldados japoneses as estuprassem.

Retirada das tropas, fim da ocupação e julgamento

No final de janeiro de 1938, o exército japonês forçou todos os refugiados da Zona de Segurança a voltarem para casa, alegando ter “restaurado a ordem”. Após o estabelecimento do governo colaborador em 1938, a ordem foi gradualmente restaurada em Nanquim e as atrocidades das tropas japonesas diminuíram consideravelmente.

Em 18 de fevereiro de 1938, o Comitê Internacional da Zona de Segurança de Nanking foi renomeado à força de “Comitê de Resgate Internacional de Nanking”, e a Zona de Segurança efetivamente deixou de funcionar. Os últimos campos de refugiados foram fechados em maio de 1938.

Massacre de Nanquim - Lado Negro do Japão

Em fevereiro de 1938, tanto o príncipe Asaka quanto o general Matsui foram chamados ao Japão. Matsui aposentou-se, mas o príncipe Asaka permaneceu no Conselho Supremo de Guerra até o final da Segunda Guerra. Ele foi promovido ao posto de general em agosto de 1939, embora não tenha mais nenhum comando militar.

Logo depois da rendição do Japão em 1945, os encarregados das tropas japonesas em Nanquim foram levados a julgamento. Como citado anteriormente, os oficiais Toshiaki Mukai e Tsuyoshi Noda foram julgados pelo Tribunal de Crimes de Guerra de Nanquim e sentenciados à morte.

Iwane Matsui foi indiciado por crimes contra humanidade pelo Tribunal de Tóquio e sentenciado à morte. Hisao Tani, um dos responsáveis pelo massacre, foi julgado pelo Tribunal de Crimes de Guerra de Nanquim por crimes contra a humanidade e sentenciado à morte.

Imunidade ao Príncipe Asaka

Príncipe Asaka Yasuhiko

O príncipe Asaka Yasuhiko foi quem autorizou que as tropas executassem e estuprassem civis e pilhassem a cidade. Em 1946, o príncipe Asaka foi interrogado sobre seu envolvimento no Massacre de Nanquim e o depoimento foi submetido à Seção de Promotoria Internacional do tribunal de Tóquio.

Asaka negou a existência de qualquer massacre e alegou nunca ter recebido queixas sobre a conduta de suas tropas. Posteriormente, após o fim da Segunda Guerra, Asaka, assim como toda a família imperial, recebeu imunidade do general americano Douglas MacArthur.

Quem foram os verdadeiros responsáveis?

Depois do fim da Segunda Guerra em setembro de 1945, os criminosos de guerra japoneses foram levados a julgamento no Tribunal de Tóquio e Tribunal de Crimes de Guerra de Nanquim.

Da esquerda para a direita: Iwane Matsui, Hisao Tani, Príncipe Kan’in, Príncipe Asaka, Isamu Chō e Kōki Hirota.

Os responsáveis foram:

  • General Iwane Matsui – Matsui tinha ciência do que as tropas estavam fazendo em Nanquim mas, não tomou nenhuma providência, alegando estar doente no momento da captura. O Tribunal de Tóquio considerou que, apesar da enfermidade, Matsui tinha capacidade suficiente para controlar as suas tropas. Foi sentenciado à morte e executado em 23 de dezembro de 1948.
  • Tenente-general Hisao Tani – Tani foi julgado no Tribunal de Crimes de Guerra de Nanquim. Tani negou as acusações contra ele, culpando soldados coreanos pelo massacre. Foi considerado culpado por instigar o massacre e estupro de civis e foi sentenciado à morte e executado em 26 de abril de 1947.
  • Príncipe Kan’in – Considerado responsável por autorizar o uso de armas bacteriológicas usadas na China, especialmente em Shanghai e Nanquim. No entanto, Kan’in morreu antes do final da guerra em maio de 1945 e, portanto, não foi à julgamento.
  • Príncipe Asaka – Como citado antes, foi-se garantido imunidade à Asaka. O príncipe foi quem autorizou o massacre em Nanquim, na ausência do comando de Matsui, que estava doente.
  • Tenente-general Isamu Chō – Ajudante de Asaka, foi considerado cúmplice no massacre. Porém, Chō cometeu suicídio na Batalha de Okinawa em junho de 1945 e, portanto, não foi à julgamento.
  • Primeiro Ministro Kōki Hirota – Considerado também um dos responsáveis, foi a julgamento no Tribunal de Tóquio. Hirota foi considerado culpado por ter negligenciado seu papel como Primeiro Ministro e permitir que o massacre tenha ocorrido. Foi sentenciado à morte e executado em 23 de dezembro de 1948.

Controvérsias e negação do massacre

Grupos nacionalistas japoneses fazem revisionismo histórico e negam que houve um massacre. No entanto, o próprio governo japonês reconheceu o Massacre de Nanquim depois da Segunda Guerra.

Porém, a atitude do governo japonês pouco convence os chineses pois há uma controvérsia envolvendo o Santuário Yasukuni. O santuário têm o nome dos criminosos de guerra registrados e figuras políticas japonesas visitam o santuário e prestam homenagem aos homens responsáveis pela tragédia em Nanquim.

Santuário Yasukuni

Isso fez com que a relação entre China e Japão enfraquecesse pois isso passa a impressão de que os japoneses não se arrependem do passado apesar das declarações do governo.



Nenhum Imperador do Japão visitou Yasukuni desde 1975, embora o Imperador e a Imperatriz ainda continuem a frequentar o Serviço Nacional de Memória dos Mortos da Guerra anualmente.

Por Favor! Compartilhe Nosso artigo:

4 comentários sobre “Massacre de Nanquim – Lado Negro do Japão

  1. Valeu Thomas pelo post de ótima qualidade! Deu uma boa visão geral do acontecimento! Gostei bastante!

Comentários do site