Cultura / Curiosidades / Japão

Gravidez no Japão – Dicas e curiosidades

gravidez no japão
Compartilhe nas redes sociais:


Neste artigo vamos ver algumas dicas, experiências e curiosidades relacionadas a gravidez no Japão. O Japão enfrenta um grande problema de natalidade, e a gravidez é uma das soluções para acabar com esse problema, assim o governo tem feito diversos projetos para incentivar a gravidez no Japão. Infelizmente o Japão permite Aborto em alguns casos, e isso acaba atrapalhando a natalidade do país.

O Japão possui uma cultura tradicional e rígida, ser mãe solteira ou antes do casamento costuma ser considerado desonroso. Diversas coisas acabam fazendo com que as mães não desejem ter filhos. Um dos principais motivos é o emprego, cerca de 60% das mulheres que acabam tendo filho, deixam de trabalhar. Outro problema grave é que 1 a cada 5 mulheres grávidas acabam sofrendo discriminação dentro de empresas. Algumas até escondem a gravidez com medo de perder um cargo. Outras acabam se submetendo a riscos dentro do trabalho.

gravidez no Japão

Deveres das mulheres durante a gravidez

As mulheres no Japão precisam fazer alguns procedimentos para ter uma boa gravidez e receber apoio do governo. O primeiro passo é ter um plano de saúde, algo meio que obrigatório para todos que moram no Japão. Ser regular e pagar os impostos corretamente também vai influenciar nos inúmeros benefícios que o governo oferece.

O primeiro passo ao descobrir com teste de gravidez (妊娠検査薬 – Ninshin kensa-yaku) é marcar um exame médico e solicitar o nishin todoke que serve como comprovante de gravidez. Com esse comprovante você deve comparecer a prefeitura de sua cidade ou ao centro de saúde publica para continuar o processo.

Não importa se você é estrangeira, em algumas cidades do Japão você recebe todo auxílio em seu próprio idioma. As mulheres podem se ausentar do trabalho com a orientação médica ou exame pré-natal. A gestante pode solicitar 6 semanas de licença de maternidade antes do parto e 8 semanas depois do nascimento do bebê. Esse direito não se aplica a todas as trabalhadoras, deve certificar-se de mais detalhes locais antes. O empregador não é obrigado a pagar remuneração durante a licença maternidade, mas quem possui shakai hoken recebe uma ajuda do governo.



gravidez no Japão

O governo local pode oferecer dois exames gratuitos durante a gestação, já o parto e outros exames não são cobertos pelo seguro de saúde. Porém, se a gestante estiver cadastrada no shakai hoken ou kokumin hoken, depois de pagar o parto e ter o filho, ela pode receber ajuda governamental de 350 mil ienes e que pode ultrapassar 500 mil. Caso a mulher não tenha condições de pagar o parto, existe um sistema de auxílio de natalidade (nyuuin josan seido).

Auxílios e incentivos a gravidez no Japão

Apesar dos problemas, as mulheres japonesas desejam ter um filho, até mesmo as que vivem no mundo corporativo. O governo faz sua parte com uma série de incentivos antes, durante e depois da gravidez.

Durante o processo inicial de gravidez, a mulher vai receber diversos materiais para ajuda-la no período de gestação. Alguns livros, cadernetas, diários e até mesmo um chaveiro (mataniti maaku) que serve para mostrar que a pessoa está gravida e assim receber prioridade em transportes e outros locais. São realizadas palestras gratuitas que ensinam todos os detalhes da gravidez e os cuidados com o bebê.

gravidez no Japão

O Japão se preocupa bastante com a gravidez, são realizadas consultas a cada 2 semanas no primeiro e terceiro trimestre. São mais de 15 e a maioria com ultrassom.

Ao ter o primeiro filho, uma enfermeira pode visitar os pais para dar orientação. Até os 13 primeiros meses do bebê os pais possuem direito a 3 consultas gratuitas. Não se esqueça de realizar todos os procedimentos orientados durante a gravidez para não perder nenhum benefício.

Para entender melhor sobre o incentivo do governo, vamos deixar um vídeo de nossa amiga Caryn do canal Sushi com Farofa abaixo:

Curiosidades sobre a gravidez no Japão

Nem todos os hospitais no Japão oferecem alívio da dor epidural para um parto. Alguns acreditam que a dor durante o parto irá facilitar a ligação entre mãe e filho.

Os médicos japoneses incentivam as mulheres a tomar frutas, legumes e leite como suas vitaminas ao invés de sugerir suplementos de farmácias. Embora os médicos podem sugerir tomar ácido fólico ou outras vitaminas no primeiro trimestre de gravidez.

Em outros países, as mulheres grávidas são aconselhadas a não comer qualquer alimento cru como sushi ou tomar chá. No entanto, os médicos no Japão permitem que as mulheres comam isso, na verdade alguns consideram isso como uma parte da boa nutrição pré-natal.

Apenas as mães e seus bebês são autorizadas a permanecer no hospital antes e depois do parto. Os parceiros e parentes podem ir apenas em horários de visita.

São diversos outros detalhes sobre a gravidez no Japão que devem ser pesquisados com cuidado. Espero que tenham gostado deste artigo, se lembrar de algo interessante que não foi mencionado no artigo, deixe seus comentários abaixo.

Recomendamos também: 

Compartilhe nas redes sociais:

1 comentário

  1. bem não me proibiram de comer carne crua e não tomei anestesia epidural talvez porque foi parto normal, Mas no caso da carne tem uma relação com uma doença como eu era imune a ela eu podia, frutas também, nunca me passaram suplementos só mesmo acido fólico e ferro porque sou anêmica mesmo direto.

    Resposta

Comentários do site