Japan proves that firearms are not necessary?

With the increasing violence in Brazil, the use of firearms generates discussions on social networks. Many want Brazil to do like the USA and facilitate access to firearms for the population. In this article, we will analyze Japan, and prove that through its history and culture, having a firearm may and may not be necessary.

Each country has its own situations and circumstances that determine how weapons should and should not be used and distributed. In Japan itself, firearms played a very important role in its history and culture. In this article, we want to address several issues such as:

I am totally against any use of firearms, but if it is to choose between innocent people dying more than bandits because of disarmament, I prefer armed people killing the bandits. We must first think about whether this is necessarily the best step to end Brazil's insecurity.

How many people die with firearms in Japan and in the world?

In Brazil, firearm deaths exceed 50,000 every year, while in the United States the number is usually in the range of 30,000. What about Japan? Virtually the number of firearm deaths per year in Japan does not usually exceed even 10 people.

About 90% of the American population is armed, while 8.8% of the Brazilian population is armed, while in Japan not even all police officers are armed. Even so, firearms fill more than 70% of homicides in Brazil, while in the United States this number is 5x higher and a good slice comes from suicides.

Firearms in japan

In the last 30 years, firearm-related deaths in Brazil have risen by 346.5%, while rates in several countries have been decreasing every year. Even neighboring countries and the famous Mexico have lower statistics than Brazil, even though they have almost twice as many firearms and drug trafficking.

Countries like Korea and Singapore prohibit and have a low rate of gun deaths. Iceland, on the other hand, has one of the lowest numbers of gun deaths even with 30% of the armed population. It is evident that firearms do not make much difference in the indexes of different countries. It all depends on how the country works, its culture and its laws.

Is it very difficult to get a gun in Japan?

When we talk about gun ownership, people believe that it is absolutely forbidden to have guns in Brazil and Japan. The great truth is that anyone can have a gun possession under the law in both countries, but there are thousands of strict rules and a very expensive cost for all of that.

Firearms in japan

There have been several recent changes that have made gun ownership even more restrictive in Japan, because there were times when Japanese people could have weapons that even Americans were not allowed to have. Today, even to use an air rifle in Japan, a license is required.

In Japan, a person needs to take several shooting classes, pass a written test, do psychological and drug tests in a hospital and do a gigantic check on his life and criminal record. In your home, weapons should be kept in a safe place separate from ammunition. After all you will be allowed a shotgun or air rifle to hunt.

Even with a gun license in Japan, you need to report to the police every time you go hunting and how many bullets you will use. After the hunt you need to report the target of each bullet, how many shots were fired, how many hit your targets and where the flaws went. Every year you will be inspected by the police.

Firearms in japan

Illegal weapons also circulate in Japan as in any country among criminals. Fortunately, they are rarely used for burglaries or robberies thanks to heavy Japanese laws. Illegal import of weapons is also very rare, some of the criminals' weapons are simple war trophies.

The history of weapons in Japan and how they were banned

Japan has spent much of its history in civil wars. In the year 1500 the Dutch brought a weapon called a matchlock that had a great participation in the wars during the Sengoku period. In the meantime Japan has become the largest and highest quality arms manufacturer in the world.

Weapons allowed the use of peasants in battle, as it did not require much training and experience like swords and bows. Guns helped Oda Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi and Tokugawa Ieyasu to unify Japan. Tokugawa Shogunate which was considered one of the longest periods of peace in the history of Japan.

Firearms in japan

It was Toyotomi Hideyoshi who forbade peasants to own weapons to prevent rebellions. Firearms in Japan and their manufacture were completely banned along with swords shortly after their unification. Arms ownership in general was severely restricted and even the samurai class was turned into bureaucrats.

After the Second World War, firearms lost their popularity even more with the end of the gigantic Japanese army. THE Yakuza and Japanese criminals have incredibly decreased each year, especially the use of weapons by mobsters, bringing even more peace to Japan and its people.

How do the Japanese view firearms?

Most Japanese have never seen a gun in their lives, let alone shot one. Most of the time, only high-level police, criminals, hunters and military personnel are able to experience the use of a firearm. This makes the desire for a firearm unlikely for a Japanese.

The reality of the Japanese makes them think that if a country like the US drops its weapons, the violence would simply disappear. Japan is not even considering the idea of an armed robbery or a car.

Firearms in japan

In countries like the USA and Brazil, firearms seem to make more sense, unlike Japan, which to many seems like a fantasy world, but which really does not require any concern with regard to violence and weapons.

Not only the Japanese but some other developed nations view the American firearms culture in a very negative light. In most countries where firearms are released, their common use is for hunting and not to defend (even because there is no need).

The only hobby involving guns that is popular in Japan besides video games is airsoft. In Japan you can find an infinite variety of airsoft guns, even anime and manga about airsoft have been launched in recent years.

Firearms in japan

Not even hunting animals is so popular in Japan, most of those who have a gun in Japan to hunt do it as work and not for sport. Only high class people with international connections usually use hunting as a hobby.

How can Japan be safe without firearms?

Various aspects of Japanese culture make Japan a place free of weapons and violence. Strictness in laws, education and society makes the Japanese have harmony without thinking or trying to do evil. This rigid culture and social pressure has its consequences, but it is a key factor in the country's security.

It would probably take me years to try to explain the cultural differences between the Japanese and Brazilians and how it drastically affects the security of each country. Some use the excuse that Brazil is large and bordered, while Japan is just an island, but this idea is not correct if we analyze data from neighboring countries.

Firearms in japan

The difference between countries is cultural and not geographic. Brazil just needs to apply strict laws and invest in education to drastically end these frightening statistics of crimes and deaths by firearms in the country. If the population had a little more interest in others and knowledge, many of these things would be avoided.

In reality, in the current scenario of the country, I only see negative things happening with the release of weapons without strict control and without changes in criminal laws and punishments. Not to mention that culturally Brazilians are not prepared to own weapons. Not all police officers show competence in using them.

I am not against the release of weapons, I just don't think it is a good idea to release weapons without changing the flawed law that we have in Brazil. With this article I just want to present that it is not the weapons that make the country safe but the law and education.

I think the only and best solution for Brazil is to do as it was done in Singapore, to eliminate all evil at the root. Changes are possible, as both Japan and Singapore were violent countries and became peaceful countries. Is that you? What do you think? I hope you enjoyed the article, we appreciate the shares and would love to hear your comments.

Share This Article:


20 thoughts on “Japão prova que armas de fogo não são necessárias?”

  1. Há outro ponto relevante que não foi abordado – e nem culpo o autor, já que mesmo fontes tidas como idôneas, como o Mapa da Violência, costumam passar batido: qual a origem e situação das armas que ocasionam estas mortes. Para isso, geralmente é preciso ler as tabelas com dados de diferentes classificações e cruzá-los.

    Explico.

    São situações completamente diferentes: a) uma morte por meio de uma arma obtida e mantida dentro da lei e comete homicídio (e.g. um caso em que um cidadão, passando pelos mecanismos de controle, obtém uma arma e a usa indevidamente em uma briga após um acidente de trânsito, ou um homicídio em massa seguido de suicídio, ou, no limite, uma pessoa íntima subtrai a arma para utilizá-la), b) uma morte por meio de arma legal, em situação lícita (como exemplo mais óbvio: legítima defesa real própria mediante tentativa de assalto – roubo ou latrocínio), ou c) morte por meio de armas ilegais, geralmente por criminosos “de carreira”, sejam de uso proibido para civis (obtidas por contrabando do exterior ou de integrantes corruptos das próprias Forças Armadas, que costumam ter como destinatários integrantes de alguma das dezenas de facções criminosas do país) ou de uso permitido para civis dentro de certos parâmetros (mas que são ou roubadas ou traficadas, frequentemente com numeração raspada).

    Tratar especificamente da legislação em torno das restrições à posse ou ao porte de armas costuma influir primariamente nas mortes da categoria “a”. Mortes naquela parcela se dão porque há algo muito errado com o sistema – e aqui me refiro desde a legislação até fatores culturais graves -, com o sujeito que comete o ato ou com ambos. Aqui se pode falar em lei falha, ou em algum fator cultural crítico, pois é nesta parcela que poderíamos encaixar casos como o massacre de Columbine, qualquer caso em que o sistema permita que alguém sem condições não tenha condições de possuir armas de fogo – inclusive por negligência em mantê-la longe de quem não deva acessá-la -, etc. Aqui, também, cabem os casos de abusos de profissionais de segurança.

    Os casos da segunda parcela são problemas do tipo inevitável, ou o menos pior dos males. Assaltante morto em troca de tiros com a polícia, ou morto por civil em caso de legítima defesa, não é algo que tira meu sono. Legítima defesa putativa escusável ou estado de necessidade, por exemplo, são uma fatalidade lamentável, mas também não haveria o que pudesse ser feito. Acho que essa categoria dispensa maiores explanações para o fito da presente discussão.

    A posse de armas pelos cidadãos, com os cuidados necessários, serve para inibir as mortes da categoria “c”, o tipo mais impérvio às soluções derivadas de mudanças legislativas e culturais, e que são a maior parcela do total de mortes por armas de fogo. Nos Estados Unidos, são exatamente os estados com maior liberação de armas que contabilizam as menores quantidades de mortes por armas de fogo. O que tende a se suceder, com a liberação das armas, é um aumento relativamente pequeno da quantidade de mortes que se encaixam na primeira categoria e uma diminuição significativa nas mortes da última categoria.

    E isso sem entrar no argumento político das armas como um último recurso da população contra a tirania, considerando que praticamente todo déspota bem sucedido da História procedeu ao prévio desarmamento do povo que dominou.

    Dito isto, eu mesmo acho que, em geral, o Brasil tem sérios problemas culturais, inclusive no sentido de caráter, que facilitam o estado em que nos encontramos. Porém, para não me alongar, ainda sustento que, no tocante às armas com relação à segurança pública, é pior sem elas do que com.

    • É um bom ponta a abordar, principalmente se tratando dos USA. E realmente, até mesmo no Brasil o número de mortes por arma, grande parte são de criminosos e bandidinhos que devem para traficantes, então não da pra alarmar esse número gigante… Mas o ponto de destaque do Japão é realmente a falta de necessidade dessas armas, sua capacidade de evitar sua proliferação no país, tanto entre cidadões como polícia ou até os bandidos do país não precisam delas. Claro que como vc disse, fatores culturais, geográficos e leis colaboram muito nesse sentido. Não da para comparar de forma justa… mas se o Japão e Singapura conseguiu sair da desgraça de guerras e violência eliminando armas, qualquer um pode. Claro que isso nunca vai acontecer aqui ou nos EUA, por isso a alternativa sua é melhor, mas ainda é assustadora, principalmente se tratando de brasileiros rsrsrs.

  2. Há outro ponto relevante que não foi abordado – e nem culpo o autor, já que mesmo fontes tidas como idôneas, como o Mapa da Violência, costumam passar batido: qual a origem e situação das armas que ocasionam estas mortes. Para isso, geralmente é preciso ler as tabelas com dados de diferentes classificações e cruzá-los.

    Explico.

    São situações completamente diferentes: a) uma morte por meio de uma arma obtida e mantida dentro da lei e comete homicídio (e.g. um caso em que um cidadão, passando pelos mecanismos de controle, obtém uma arma e a usa indevidamente em uma briga após um acidente de trânsito, ou um homicídio em massa seguido de suicídio, ou, no limite, uma pessoa íntima subtrai a arma para utilizá-la), b) uma morte por meio de arma legal, em situação lícita (como exemplo mais óbvio: legítima defesa real própria mediante tentativa de assalto – roubo ou latrocínio), ou c) morte por meio de armas ilegais, geralmente por criminosos “de carreira”, sejam de uso proibido para civis (obtidas por contrabando do exterior ou de integrantes corruptos das próprias Forças Armadas, que costumam ter como destinatários integrantes de alguma das dezenas de facções criminosas do país) ou de uso permitido para civis dentro de certos parâmetros (mas que são ou roubadas ou traficadas, frequentemente com numeração raspada).

    Tratar especificamente da legislação em torno das restrições à posse ou ao porte de armas costuma influir primariamente nas mortes da categoria “a”. Mortes naquela parcela se dão porque há algo muito errado com o sistema – e aqui me refiro desde a legislação até fatores culturais graves -, com o sujeito que comete o ato ou com ambos. Aqui se pode falar em lei falha, ou em algum fator cultural crítico, pois é nesta parcela que poderíamos encaixar casos como o massacre de Columbine, qualquer caso em que o sistema permita que alguém sem condições não tenha condições de possuir armas de fogo – inclusive por negligência em mantê-la longe de quem não deva acessá-la -, etc. Aqui, também, cabem os casos de abusos de profissionais de segurança.

    The cases of the second installment are problems of the inevitable kind, or the least worst of evils. Robber killed in exchange of fire with the police, or killed by a civilian in self-defense, is not something that makes me sleepy. Legitimate excusable putative defense or state of necessity, for example, is a regrettable fatality, but there would also be nothing that could be done. . I think this category needs no further explanation for the purpose of the present discussion.

    The possession of weapons by the citizens, with the necessary care, serves to inhibit the deaths of the category “c”, the most important type àsolutionsà #231;These are the result of legislative and cultural changes, which account for the largest share of total firearm-related deaths. In the United States, it is precisely the states with the highest release of guns that account for the lowest number of firearm-related deaths. What tends to happen, with the release of weapons, é a relatively small increase in the number of deaths that fall into the first category and a significant decrease in deaths in the latter category.

    and that's without going into the political argument of guns as a "last resort" for the population against tyranny, considering that virtually every successful d'spot in history ;ria proceeded to the previous disarmament of the people it dominated.

    Having said that, I myself think that, in general, Brazil has serious cultural problems, including in the sense of character, which facilitate the state in which we find ourselves. However, in order not to expand, I still maintain that, as far as weapons are concerned, public security, é worse without them than with.

    • É um bom ponta a abordar, principalmente se tratando dos USA. E realmente, até mesmo no Brasil o número de mortes por arma, grande parte são de criminosos e bandidinhos que devem para traficantes, então não da pra alarmar esse número gigante… Mas o ponto de destaque do Japão é realmente a falta de necessidade dessas armas, sua capacidade de evitar sua proliferação no país, tanto entre cidadões como polícia ou até os bandidos do país não precisam delas. Claro que como vc disse, fatores culturais, geográficos e leis colaboram muito nesse sentido. Não da para comparar de forma justa… mas se o Japão e Singapura conseguiu sair da desgraça de guerras e violência eliminando armas, qualquer um pode. Claro que isso nunca vai acontecer aqui ou nos EUA, por isso a alternativa sua é melhor, mas ainda é assustadora, principalmente se tratando de brasileiros rsrsrs.

  3. O problema do brasil é que as leis não são duras como no Japão, pois a glamurização da bandidagem é muito presente e o povo Brasileiro está farto disso, oque não dá mais pra aturar é essa palhaçada de bandido fazer e acontecer e ser tratado como celebridade, exemplo dessa nojeira toda e o maniaco do parque, que depois de ter matado varias mulheres, recebe cartas de amor de outras mulheres na prisão é como dizem por aí “No Brasil o poste urina no cachorro,a banana come o macaco e o rato bate no gato”.

  4. O problema do brasil é que as leis não são duras como no Japão, pois a glamurização da bandidagem é muito presente e o povo Brasileiro está farto disso, oque não dá mais pra aturar é essa palhaçada de bandido fazer e acontecer e ser tratado como celebridade, exemplo dessa nojeira toda e o maniaco do parque, que depois de ter matado varias mulheres, recebe cartas de amor de outras mulheres na prisão é como dizem por aí “No Brasil o poste urina no cachorro,a banana come o macaco e o rato bate no gato”.

  5. Eu achando que iria ler um texto sensato, mas li um monte de chorume!

    1 – Começou com besteiras, atribuindo posse/porte com suicídio, sendo que o PRÓPRIO JAPÃO É UM DOS PAÍSES COM MAIOR ÍNDICE DE SUICIDO E NÃO É PERMITIDO TER ARMAS!

    2 – No Brasil e Japão NÃO É PERMITIDO TER ARMAS! Você afirmar que pode ter armas, pq TEORICAMENTE PERMITE, NÃO QUER DIZER QUE REALMENTE PODE TER ARMAS! Vou explicar, no Brasil para ter POSSE de uma arma, precisa ganhar no MINIMO 4 mil reais, para poder arcar com custos das licenças, treino, armas + a POSSIBILIDADE DO DELEGADO NEGAR SEU PEDIDO! Já que precisa JUSTIFICAR UMA REAL NECESSIDADE! POREM, ISSO É SUBJETIVO! Já vi delegados literalmente cagando pelos dedos ao escrever a justificativa da negação. A observação, precisa estar empregado.

    3 – Fala do mito que se reduz a criminalidade de um país com educação, pois no Brasil a região que mais se desenvolveu foi o Nordeste e a criminalidade explodiu também. Países como Paraguai, Uruguai, que tem índice de escolaridade inferior ao Brasil também são mais seguros!

    4 – Transformar armas Airsofts em Armas reais, tive que dar risada, um verdadeiro energúmeno para falar isso, TU NUNCA PROCUROU A RESPEITO DO ASSUNTO! NENHUM CALIBRE de arma real cabe dentro da culatra ou cano de uma Airsoft, existe 3 tipos de mecanismos de airsofts, (Mola, Elétrica e Gás) NENHUM desses mecanismo dispara um projetil.

    Mas a maior BESTEIRA MESMO, que foi tanta defecação que eu fiquei confuso, o ser humano não tem direito de se defender? Ou a arma não serve para defender? Em todas as regiões aonde se libera posse/porte de armas a criminalidade cai, exemplo: Chicago, e aonde se proíbe a criminalidade aumenta, exemplo: Austrália, Brasil.

    • Errado, Japão não está nem mais entre os 10 países com maior índice de suicídio. Proporcionalmente ao tamanho de sua população o número ainda é alto, mas dezenas de outros países como Coreia do Sul, Russia possuem um índice muito maior. Esse problema era mais cultural, e foi resolvido com a ocidentalização.

      2 – Esse artigo foi escrito antes da nova lei do Bolsonaro, mas sim acredito que sempre teve a oportunidade de pessoas terem a posse de arma assim como no Japão, para pessoas específicas e depois de inúmeros testes e requisitos.

      3 – Educação e Brasil nunca foram sinônimos. O problema educacional do Brasil está bem longe de apenas ensinar as coisas na escola, está na cultura brasileira uma atitude egoista e imoral.

      4 – Essa do airsoft concordo que vacilei, mas tinha pesquisado o assunto e encontrado um vídeo ensinando isso, depois fui rever o vídeo e notei nos comentários que afirmaram ser fake.

      Eu não sou contra as armas, mas vc quer comparar países onde a Lei funciona com países como Brasil? Antes de liberar as armas no Brasil tem que mudar o povo e as leis…

      O objetivo do artigo foi explicar como o Japão é seguro mesmo sem armas de fogo. E que sim, é possível um país ser seguro sem armas de fogo, mas em momento algum eu acredito que armas de fogo não são boas para diminuir o crime, acho que são bem efetivas sim, mas não é a única solução e nem uma solução funcional em países malucos como Brasil. Mas apoio totalmente com a nova Lei do Bosolnaro e se quiser podem diminuir ainda mais os requisitos…

  6. Eu achando que iria ler um texto sensato, mas li um monte de chorume!

    1 – Começou com besteiras, atribuindo posse/porte com suicídio, sendo que o PRÓPRIO JAPÃO É UM DOS PAÍSES COM MAIOR ÍNDICE DE SUICIDO E NÃO É PERMITIDO TER ARMAS!

    2 – No Brasil e Japão NÃO É PERMITIDO TER ARMAS! Você afirmar que pode ter armas, pq TEORICAMENTE PERMITE, NÃO QUER DIZER QUE REALMENTE PODE TER ARMAS! Vou explicar, no Brasil para ter POSSE de uma arma, precisa ganhar no MINIMO 4 mil reais, para poder arcar com custos das licenças, treino, armas + a POSSIBILIDADE DO DELEGADO NEGAR SEU PEDIDO! Já que precisa JUSTIFICAR UMA REAL NECESSIDADE! POREM, ISSO É SUBJETIVO! Já vi delegados literalmente cagando pelos dedos ao escrever a justificativa da negação. A observação, precisa estar empregado.

    3 – Fala do mito que se reduz a criminalidade de um país com educação, pois no Brasil a região que mais se desenvolveu foi o Nordeste e a criminalidade explodiu também. Países como Paraguai, Uruguai, que tem índice de escolaridade inferior ao Brasil também são mais seguros!

    4 – Transformar armas Airsofts em Armas reais, tive que dar risada, um verdadeiro energúmeno para falar isso, TU NUNCA PROCUROU A RESPEITO DO ASSUNTO! NENHUM CALIBRE de arma real cabe dentro da culatra ou cano de uma Airsoft, existe 3 tipos de mecanismos de airsofts, (Mola, Elétrica e Gás) NENHUM desses mecanismo dispara um projetil.

    But the REAL BULLSHIT, which was so much defecation that I got confused, doesn't the human being have the right to defend himself? Or is the weapon not used to defend? In all regions where gun possession/carrying is permitted, crime drops, example: Chicago, and where crime is prohibited, increases, example: Australia, Brazil.

    • Wrong, Japan are not. nor among the 10 countries with the highest suicide rate. Proportionally to the size of its population, the number is still high, but dozens of other countries like South Korea, Russia have a much higher rate. This problem was more cultural, and it was solved with Westernization.

      2 – Esse artigo foi escrito antes da nova lei do Bolsonaro, mas sim acredito que sempre teve a oportunidade de pessoas terem a posse de arma assim como no Japão, para pessoas específicas e depois de inúmeros testes e requisitos.

      3 – Educação e Brasil nunca foram sinônimos. O problema educacional do Brasil está bem longe de apenas ensinar as coisas na escola, está na cultura brasileira uma atitude egoista e imoral.

      4 – Essa do airsoft concordo que vacilei, mas tinha pesquisado o assunto e encontrado um vídeo ensinando isso, depois fui rever o vídeo e notei nos comentários que afirmaram ser fake.

      I'm not against guns, but do you want to compare countries where the law works with countries like Brazil? Before releasing weapons in Brazil, the people and the laws must be changed…

      The purpose of the article was to explain how Japan é safe even without firearms. and that yes, é It is possible for a country to be safe without firearms, but at no time do I believe that firearms are not good for reducing crime, I think they are only good for crime. or effective, yes, but not é the only solution and not a working solution in crazy countries like Brazil. But I fully support the new Bosolnaro Law and if you want you can lower the requirements even further…

  7. Militarismo japonês não tem nada a ver com a população armada. Ultimamente, o Japão está investindo pesado na segurança do país relativo às ameaças externas ao mesmo tempo que restringe a posse de armas pela população. A aliança militar com os EUA se dá em razão da Constituição que proíbe muitas coisas inclusive de atacar outro país, por isso o nome de forças de auto defesa. As forças americanas é que podem revidar atacando o país agressor.

  8. Japanese militarism has nothing to do with the unarmed population. Lately, Japan is investing heavily in the country's security against external threats while restricting the population's possession of weapons. The military alliance with the US takes place because of the Constitution, which prohibits many things, including attacking another country, hence the name of self-defense forces. The American forces é who can fight back by attacking the aggressor country.

  9. Realidades completamente diferentes, armas são a maior proteção de um povo e um país, o Japão possui laços com o Estados Unidos fortíssimos, laços de cooperação militar, exemplos, a Suíça é um dos países mais armados do mundo e ao mesmo tempo tão seguro com o Japão. A mentalidade e simples, defesa nacional, cidadão armados podem proteger o país em caso de invasão, na própria constituição americana, cidadão armados podem fazer milícias para deter um governo autoritário, e possíveis invasões, eu digo uma coisa, se os americanos se desarmarem, em menos de um menos acontecem uma revolução comunista no país, como o amigo comentou aqui, o Japão é ”um ponto fora da reta”, esses países que você citou no artigo, são países bem menores em relação ao Brasil, estão situados em outro cenário, e possui uma cultura e leis bem diferentes, o Brasil tem dimensões continentais, o nosso subsolo e riquíssimo, quem pode impedir se um país invade o Brasil? E se o nosso governo ou militares se voltarem contra o povo? Seremos massacrados sem nenhuma possibilidade de reagir, o mesmo vale para o Japão, você disse no artigo que o Brasileiro não está preparado, mas está errado, pois o porte de armas ‘já foi liberado’, e o nosso país era bem mais seguro. Enfim, isso foi um resumo, mas como disse são realidade diferentes, histórias diferentes, cultura e leis diferentes,defendo o porte de armas, principalmente cano longo, com restrições e muito treinamento, com leis mais sérias, mudança na forma de ensino, desenvolvimento econômico a situação muda, por fim, já imaginou se o Japão não fosse aliado dos Estados Unidos e China/Coreia do Norte resolvessem invadir o país, será que os militares japoneses iriam dar conta sozinhos?

    • Se você tiver percebido, eu também não sou contra, mas como você disse, com restrições, treinamentos e leis mas sérias… O triste é saber que até hoje não colocaram uma lei decente no país, se for como era no século passado, sem leis mais severas, nessa geração atual, com essa juventude perdida e com a mente deturpada cheia de ódio e raiva por qualquer coisa, acho que não daria certo. Colocando prisão perpetua e pena de morte e não soltando ladrões com meses na cadeia eu digo que é sucesso!

  10. Realidades completamente diferentes, armas são a maior proteção de um povo e um país, o Japão possui laços com o Estados Unidos fortíssimos, laços de cooperação militar, exemplos, a Suíça é um dos países mais armados do mundo e ao mesmo tempo tão seguro com o Japão. A mentalidade e simples, defesa nacional, cidadão armados podem proteger o país em caso de invasão, na própria constituição americana, cidadão armados podem fazer milícias para deter um governo autoritário, e possíveis invasões, eu digo uma coisa, se os americanos se desarmarem, em menos de um menos acontecem uma revolução comunista no país, como o amigo comentou aqui, o Japão é ”um ponto fora da reta”, esses países que você citou no artigo, são países bem menores em relação ao Brasil, estão situados em outro cenário, e possui uma cultura e leis bem diferentes, o Brasil tem dimensões continentais, o nosso subsolo e riquíssimo, quem pode impedir se um país invade o Brasil? E se o nosso governo ou militares se voltarem contra o povo? Seremos massacrados sem nenhuma possibilidade de reagir, o mesmo vale para o Japão, você disse no artigo que o Brasileiro não está preparado, mas está errado, pois o porte de armas ‘já foi liberado’, e o nosso país era bem mais seguro. Enfim, isso foi um resumo, mas como disse são realidade diferentes, histórias diferentes, cultura e leis diferentes,defendo o porte de armas, principalmente cano longo, com restrições e muito treinamento, com leis mais sérias, mudança na forma de ensino, desenvolvimento econômico a situação muda, por fim, já imaginou se o Japão não fosse aliado dos Estados Unidos e China/Coreia do Norte resolvessem invadir o país, será que os militares japoneses iriam dar conta sozinhos?

    • If you're realized, I'm not against it either, but like you said, with restrictions, training and more serious laws. The sad é know that untilé today they haven't put a decent law in the country, if it's like it was in the last century, without stricter laws, in this current generation, with that lost youth and with a twisted mind full of hate and anger for anything, I don't think it would work. Putting life imprisonment and death penalty and not releasing thieves with months in jail I say that é success!

  11. Japão é “um ponto fora da reta”, graças às características culturais do povo japonês que desde pequeno é doutrinado (ou educado se preferir) para seguir regras de comportamento, e a eficiência, diga-se de passagem, da polícia japonesa.

    No Brasil estimula-se a Anarquia Socialista, por isso, embora eu defenda o porte de armas, acho que em terras tupiniquins é necessário ter extrema cautela na liberação do porte!

  12. Japan é “a point out of the line”, thanks to àcultural characteristics of the Japanese people who since childhood é indoctrinated (or educated if you prefer) to follow rules of behavior, and the efficiency, by the way, of the Japanese police.

    In Brazil, Socialist Anarchy is encouraged, so, although I defend the carrying of weapons, I think that in Tupiniquin lands é It is necessary to exercise extreme caution when releasing the port!

Leave a Comment