Cultura / Curiosidades / Japão

Sasumata – Arma de samurai nas escolas do Japão

Sasumata – Arma de samurai nas escolas do Japão
Compartilhe nas redes sociais:


Sasumata (刺股) é uma lança garfo usada pelos samurais no Japão feudal, conhecido também como agarrador de homem. O Sasumata junto com outras 2 armas chamadas de tsukubo e sodegarami eram utilizadas por samurais policias e forças de segurança para prender criminosos e suspeitos sem lesiona-los ou controlar multidões. O Sasumata parece um garfo de 2 pontas com bastão de 2 metros cheio de espinhos para impedir que o indivíduo segura-se a barra.

Hoje em dia, uma versão moderna do sasumata ainda é ocasionalmente usado pela polícia como uma ferramenta de auto-defesa. Estes sasumata modernos são muitas vezes feitos de alumínio, sem as lâminas e picos afiados. Eles também podem ser encontrados em lugares públicos no Japão, como escolas, onde eles são utilizados para proteger contra intrusos ou assaltantes violentos.

Sasumata nas escolas japonesas

Muitas escolas do Japão possuem guardado um Sasumata para parar intrusos e invasões nas escolas. Essa arma é bastante útil caso a pessoa não esteja armada, isso funciona no Japão porque é raro encontrar uma arma lá.

É comum encontrar o Sasumata em algum local estratégico pendurado na parede, ou guardado em um local com itens preparados contra invasão. As vezes é possível encontrar além do Sasumata um escudo para se proteger ou avançar estrategicamente contra o inimigo. Ao imobilizar uma pessoa com Sasumata a próxima ação inteligente seria amarra-lo e prende-lo.

Alguns casos no Japão que utilizaram o Sasumata: Em Aichi um homem de 62 anos entrou na escola de Ichinomiya com uma faca de cozinha, 3 professores utilizaram um Sasumata e pararam o invasor. Algo similar aconteceu em Tokyo, e novamente 3 professores apanharam o suspeito com Sasumata, o diretor da escola disse que eles foram treinados para ocasiões assim.



Abaixo veja alguns vídeos do Sasumata em Ação:

Recomendamos também: 

Compartilhe nas redes sociais:

1 comentário

  1. Adorei o artigo.

    Parabéns Kevin.

    Resposta

Comentários do site