in ,

Os japoneses são deprimidos? O Japão é uma nação infeliz?

Compartilhe nas redes sociais:

Muitos acreditam que o alto índice de suicídios, carga horária de trabalho e outros estereótipos da cultura japonesa resulta em uma nação deprimida. Eu mesmo já me deparei com várias pessoas dizendo que os japoneses são tristes. Será que isso é verdade? Neste artigo vamos entender um pouco sobre o assunto e ver algumas coisas responsáveis pela infelicidade dos japoneses.

Imagine ter que trabalhar 10 horas por dia, ficar horas dentro de um trem, comer marmitas ou macarrões instantâneos todos os dias? Isso não é incomum no Japão, principalmente em cidades grandes. Conseguir subir de cargo ou um aumento salarial é improvável. Nada diferente da vida em São Paulo.

Diversão? Muitos passam viagens de trem jogando no celular ou assistindo vídeos, outros vão no karaoke toda semana sozinhos. A interação social é baixa mesmo através de mensagens de celular. Quando está em casa passa a maior parte do tempo dormindo ou na internet. Como ser feliz com esse estilo de vida?

Os japoneses são deprimidos? O Japão é uma nação infeliz?

Isso chega ser irônico, já que o Japão oferece tantas opções de alimentação, lazer, turismo e coisas que podem preencher o vazio. Mesmo assim as pessoas optam por um estilo de vida concentrado em trabalho e dinheiro. É um estilo de vida comum, mas não podemos levar totalmente em consideração dentro de um espaço com 127 milhões de habitantes.

Quais as causas da infelicidade no Japão?

Ter uma rotina puxada e repetitiva realmente causa infelicidade, resultando em uma doença que está dominando o mundo inteiro, a famosa depressão. Muitos japoneses tem problemas para se socializar, seja timidez ou independência, eles não se abrem nem expressam seus sentimentos com estranhos.

Ser reservado é algo normal e pessoas assim estão ao monte em todos os países, a grande diferença é que os japoneses não possuem nenhum costume de visitar psicólogos ou psiquiatras. Ter uma pessoa para ouvir seus problemas é sempre bom, e infelizmente alguns japoneses não possuem esse alguém.

Os japoneses são deprimidos? O Japão é uma nação infeliz?

Os estigmas sociais desempenham um papel muito forte em todas as partes da vida japonesa. A pressão cultural para não cometer erros acabam trazendo infelicidade. Alguns chegam até mesmo a cometer suicídio por isso. Esses fatores culturais e estruturais provavelmente influenciam as pessoas que já estão sobrecarregadas e estressadas a se sentirem ainda pior.

Na escola os japoneses são incentivados a sempre dar o seu melhor, ser o número um! Caso contrario ele será um fracasso. Garotos com 12 anos já sofrem transtornos de ansiedade porque estão com medo de não marcarem uma pontuação boa em seus exames. Infelizmente japoneses são obcecados com status e bens materiais, e sabemos que isso não trás verdadeira felicidade.

Entendendo o Ranking de Felicidade

De acordo com ranking de felicidade, o Japão está na posição 51ª. Já o Brasil, mesmo com toda crise e insegurança, está em 21ª. Apesar dessas posições, existem muitas coisas que não ficaram esclarecidas neste ranking.

Se olharmos o ranking abaixo, vamos notar que o Japão perde feio apenas em Distopia. A distopia é um país hipotético que representa as menores medidas nacionais para cada variável chave, com erros residuais. Esse país possui médias mais baixas para cada variável, servindo de base de regressão (ainda estou confuso com isso xD).

PosPaísPtsPIBAss. SocialExpect. de vidaLiberdadeGenerosidadeConfiançaDistopia
1Noruega71.6161.5340.7970.6350.3620.3162.277
22Brasil61.1071.4310.6170.4370.1620.1112.769
51Japão51.4171.4360.9130.5060.1210.1641.363

 

Os critérios abordados nessa estatística, mostra que o Japão ganha em muitos aspectos. Uma estatística não significa nada, a menos que seja colocado em um contexto. Por exemplo, o Japão está em 26ª no ranking de suicídios do mundo. Os números têm caído bastante e atualmente a Coreia do Sul que tem um alto índice se suicídios em 10ª lugar.

Os fatores que causam suicídios incluem desemprego, problemas econômicos e pressões sociais. Eu pessoalmente não considero a taxa de suicídios do Japão tão alto como as pessoas imaginam. Veja bem, são 15 pessoas a cada 100.000 habitantes, no Brasil são 13 e nos EUA são 12, uma diferença pequena. Mesmo assim o Japão é sempre citado como exemplo de suicídios, provavelmente pelo seu pequeno tamanho que faz com que as coisas aconteçam de forma concentrada.

Os japoneses são sim felizes

Na verdade, o que é felicidade? A felicidade é algo que precisa ser conquistada de maneira individual. Por mais que os japoneses possuem problemas sociais, eles buscam a felicidade da maneira deles, seja através de algum hobby, esporte, jogo ou algo individual. No Japão existem milhares de coisas para se fazer e assim acabar com o tédio. Mesmo que sempre tenha pessoas trabalhando, existem outros que estão sempre viajando e curtindo.

Os japoneses são deprimidos? O Japão é uma nação infeliz?

O estereótipo de que os japoneses são mais deprimidos do que pessoas de outros países, está errado e desatualizado. Por mais que tenha aqueles que se esforçam demais por nada e ainda encontram um vazio em sua vida. Diversos outros japoneses sabem o que realmente querem, e foi graças a seus esforços em trabalhar duro, seguir regras e ser perfeccionista por natureza, que o Japão se tornou um lugar tão confortável para viver e viajar.

Se formos parar pra pensar sobre nossos problemas, não tem como ficarmos felizes. A tendência do mundo atual é piorar, trazendo mais infelicidade! O Japão leva vantagem em oferecer uma qualidade de vida, claro que nem todos possuem a sorte e o tempo para desfrutar dessas coisas. Lembre-se que ter tempo e fazer as coisas que gosta também não significa felicidade!

O fato é que o Japão nem se quer aparece na lista dos 10 países mais depressivos do mundo. Os EUA estão em primeiro no ranking de depressão, onde 1 a cada 6 pessoas tomam antidepressivo ou drogas psiquiátricas. Até mesmo o Brasil aparece em 7ª nesse ranking, mostrando assim que a infelicidade afeta até mesmo brasileiros que são famosos por nunca desistirem e serem positivos e frenéticos.

Qual é sua opinião sobre o assunto? Recomendamos ler também:
Compartilhe nas redes sociais:

Você gostou do artigo?

0 ponto
Upvote Downvote

Total de votos: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Escrito por Kevin

Obrigado por ler nosso artigo, agradeço aos comentários e compartilhamentos. Sou o administrador deste site e quero tornar esse o maior portal de cultura japonesa do Brasil. Agradeço a colaboração!

Deixe uma resposta
  1. Toquio foi meu primeiro posto como diplomata de junho de 1950 a março de 1956, com um Japão ocupado pelos americanos e depois com um Japão “independente”. Conhci os dois chefes americanos General McArthur ew Ridgway e participei da entrega de credenciais do primeiro Embaixador brasileiro ao Hirohito, depois da guerra. Conheci um Japão empobrecido, derrotado e humilhado. Já falei nihongo (hoje bastante esquecido) e foram quatro anos inesqueciveis, vivendo a cultura e procurando entender a mentalidade japonesa. Meus quatro anos de Toquio me marcaram para sempre e continuo um grande apreciador da cultura japonesa. Fiz amizades com japoneses e nisei brasileiros que haviam ficado no Japãpo com a guerra; Naturalmente tenho muitas estórias parra contar dessa época. Voiltei ao Japão em visita am 1960 e 1972. Aprendi a técnica do sumi-ê, mas hoje com 93 anos, aposentado, sou ceramista;.

  2. Eu gostaria de morar no Japão. Mas para um Brasileiro normal com baixa instrução como eu que não é engenheiro não é fácil. Ter que trabalhar longas jornadas nas fábricas. Ou seja eu viveria para trabalhar. Eu não queria juntar dinheiro mas sim ter qualidade de vida e aprender mais do país e da língua.

Comentários do site

Incesto no Japão – Por que parece aceitável?

Bacon assado – Receita de Shokugeki no Souma