Estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam

, ESCRITO POR

Hoje vamos ver algumas generalizações e estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam dos brasileiros e outras nacionalidades. Será que os japoneses são preconceituosos ou o contrário?

Muitos questionam o fato de japoneses serem racistas, preconceituosos ou xenofóbicos, porém não possuem argumentos. Muitos acabam taxando os japoneses de preconceituosos apenas pela sua timidez e dificuldade de socializar.

O que as pessoas sempre esquecem é que o preconceito e racismo se encontra no mundo inteiro. As pessoas que taxam os japoneses de preconceituosos estão apenas provando que eles mesmos são preconceituosos.

Neste artigo vamos mostrar alguns pontos que mostram o preconceito que os japoneses enfrentam no Brasil e no mundo inteiro, mostrando assim que o erro está exatamente do lado oposto.

Sumário do Artigo
- Japoneses só gostam de orientais? 
- Órgão Genital Masculino e corpo das japonesas
- Gritar palavras aleatórias que não existem
- Sem respeito a nacionalidade, todos iguais
- Não conhecem a culinária, só pensam em sushi
- Pastel de Flango - Não falam o R
- Suposições erradas - Vou inventar coisas

A ideia de que japoneses só gostam de orientais

Alguns acham que os japoneses gostam de se relacionar apenas com asiáticos. Criam uma ideia de que japoneses querem apenas uma raça pura e ter amizade apenas com japoneses. Uma ideia totalmente errada, que resulta em diversas situações constrangedoras e causa a ideia de que japoneses são racistas.

Muitos japoneses não se relacionam com ocidentais por causa da timidez, e as vezes a introversão dos ocidentais podem assustar alguns japoneses. Ainda assim, esse julgamento é um erro completo, japoneses gostam de conhecer pessoas e expandir seu circulo de amizade.

Estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam

Como esse mito surgiu? Infelizmente os japoneses sofreram muito preconceito dos brasileiros depois da segunda guerra mundial, por isso muitos descendentes que moram no Brasil ficaram de cara fechada.

Com certeza devem existir aquelas famílias tradicionalistas e nacionalistas. Só que muitos orientais sonham em casar com ocidentais, alguns focam totalmente nisso, principalmente as gaijin hunter.

Obsessão pelo corpo e órgão genital dos japoneses



Infelizmente, alguns fazem piadas e críticas com respeito a altura, ao órgão genital masculino ou o tamanho do corpo ou dos seios das japonesas. Considero uma grande ofensa e falta de respeito!

Não é nenhuma competição de tamanho. Falar de um assunto tão inútil só mostra o tanto de merda que as pessoas têm na cabeça.  Eu mesmo prefiro mil vezes os corpos das japonesas, do que essas toneladas de gordura presente no ocidente.

Na verdade, eu até escrevi um artigo que mostra que os seios das japonesas são grandes e proporcionais ao tamanho do corpo delas. Aqueles que zoam, fazem piadas ou se importam com coisas assim são pessoas tão vazias.

Estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam

Gritar palavras aleatórias ou que não existem

Se você considera dizer: takakara nomuro uma brincadeira, você está sendo insensível. Pessoas infelizmente zombam do idioma oriental, falam palavras aleatórias tipo arigatou apenas como zombaria.

Outros chamam o idioma de esquisito, feio e colocam uma dificuldade que não existe. Eu pessoalmente estou cansado de estudar o idioma, e as pessoas ignorantes chegarem com brincadeiras e criticas.

As pessoas simplesmente não fazem ideia do quão rico o idioma japonês pode ser. Por perderem tempo com essas piadinhas que muitos brasileiros não conseguem aprender nem se quer inglês.

Sem respeito a Nacionalidade, são todos olhos puxados



Primeiramente os japoneses enxergam perfeitamente bem, e até melhor, visto que os olhos puxados servem de proteção a radiação ultravioleta refletida pela neve.

Mandar o japonês abrir os olhos, ou categoriza os asiáticos, trocar nacionalidade por serem parecidos, são atitudes degradantes e pura inveja da beleza dos olhos puxados. Acha bom mandar brasileiro deixar de ser bandido?

Na realidade a dificuldade que brasileiros tem de diferenciar japoneses, acontece também ao contrário. Orientais tem dificuldades de diferenciar ocidentais, isso acontece por causa de um bug no cérebro pela falta de convivência com certas características raciais.

Estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam

Vocês comem aquelas comidas esquisitas? só comem sushi?

Outro problema é a ignorância de achar que japoneses comem insetos, cachorro e outras coisas que se consideram nojentas, ou imaginam que sushi é um prato diário no Japão.

Na verdade, comer sushi no Japão é a mesma coisa de comer Pizza no Brasil, você come Pizza todos os dias? No Japão se come arroz, carne, macarrão, legumes e verduras como em qualquer lugar. Os japoneses só não costumam comer feijão.

No Japão não se come insetos nem coisas que parecem nojentas aos olhos dos ocidentais, já que é um país rico, enquanto esses países que consomem certas coisas estranhas, na maioria das vezes é devido a pobreza.

Antes de insultar as pessoas devem estudar um pouco. Outra coisa que Infelizmente japoneses têm que aturar são perguntas idiotas como:

  • Você sabe comer de pauzinho né?
  • Na sua casa tem garfo?

Pastel de Flango com catupili



Essa é a famosa frase, e um dos maiores insultos tanto para os chineses como para os japoneses. Primeiramente isso é um insulto ao Idioma chines, mostrando a gama de ignorância das pessoas.

No idioma japonês não existe o “L“, veja o vídeo abaixo mostrando que japoneses na verdade falam PASUTERU DE FURANGO.

não sei nada sobre japoneses, vou inventar coisas

Por ser japonês, as pessoas acham que eles tem que ser super inteligentes, fazer equações matemáticas enormes, construir robôs, tem que ser higiênico, educado… Acham que todos são iguais, e que não há diversidade cultural entre eles.

Junto com os diversos motivos citados acima, japoneses ainda tem que aguentar apelidos como japa, ou com palavras do português que parecem japonesas. Sem citar nas milhares de críticas sobre a cultura e costumes japoneses que eles nem conhecem.

Essas brincadeiras nada mais são do que racismo disfarçado. Dificuldade de aceitar o descendente oriental como um cidadão brasileiro comum. Antes de taxar japoneses de preconceituosos, olhem para seus próprios umbigos.

Esses foram apenas alguns dos fatores que mostram quem realmente sofre discriminação, será os brasileiros ou japoneses? É obvio que todo esse assunto é delicado e relativo.

Por isso antes de tirar conclusões precipitadas também devemos entender um pouco sobre o preconceito dos japoneses em relação aos ocidentais. Comente e Compartilhem se possível, para que as pessoas possam refletir sobre essas atitudes.

Compartilhe Nosso artigo:

80 comentários em “Estereótipos preconceituosos que os japoneses enfrentam”

  1. Eu não acho o português feio em si… Na realidade ele é um idioma completo que usa todos os fonemas possível, isso é ótimo… Quando me referi a feio, quis dizer sobre a forma que o idioma é usado, deveria ter deixado isso claro no artigo. Eu nem observei que tinha colocado isso, acho que na época tava com raiva pq as pessoas falam q japones é feio kkkk

    • Eu não acho o idioma japonês feio, só acho difícil de escreve-lo, principalmente o assustador Kanji

  2. eu que nem sou japonês sofro com isso. não sei tenho descendência mas ouso muito algo como : “vc tem pinto pequeno?” HAHAHHA eu acho engraçado na maioria das vzs…

  3. Faça um post sobre a xenofobia contra orientais na década de 30, quando os jornais da época estampavam títulos como “perigo japonês”, “macacos amarelos”, “orientais não tem alma”… conversar em japonês em algumas áreas rurais (aonde muitos imigrantes se estabeleceram) era algo passível de punição por açoitamento em praça pública.
    Depois mostre como os orientais conseguiram se livrar do preconceito simplesmente seguindo a vida sem se vitimizar. Talvez seria um bom exemplo para os negros seguirem.

    PS: Sou japonês e as coisas que você postou só incomodam japoneses imaturos. Não alimente a imaturidade deles.

    • Vlw pela dica… Irei escrever em breve.

    • Muito infeliz o post do Fernando, muito pelo contrário, nós orientais deveríamos seguir o exemplo dos negros e criar ongs, movimento de conciencia oriental e orgulho oriental, foi por esses movimentos que os negros conquistaram respeito e espaço na mídia e nós orientais ainda estamos engatinhando nesse sentido, no que diz respeito ao combate ao racismo.

    • Luciano Pinheiro Goto Sem querer ser racista mas acho que os orientais estão muito acima dos negros, quando o assunto é combater o racismo…

    • Muito pelo contrário, mesmo conseguindo maior ascenção financeira e profissional que o negro, diariamente temos nossa nacionalidade brasileira negada por origem étnica, coisa que não fazem com os negros por exemplo, pois eles, conseguiram conquistar o direito de serem respeitados.

    • Apesar dos asiáticos ainda serem alvo de piadas racistas, pode-se dizer que são respeitados de fato enquanto os negros são basicamente tolerados por mera imposição do “politicamente-correto”.

    • Nós é que somos apenas tolerados, o negro conquistou espaço e respeito através de muita luta.

    • Nunca ouvi ninguém dizer que prefere um genro negro ao invés de um asiático, por exemplo. E se hoje não se esculacha publicamente os negros de uma forma tão aberta como se fazia a uns 20 anos atrás, é mais pela censura do “politicamente-correto” e por interesse em usar eles como massa de manobra facilmente influenciável.

    • Eu sempre ouvi falar que se prefere um genro negro que um oriental, não vão falar isso para nós orientais abertamente, mas isso é notório, basta ver como o oriental é desprezado e até mesmo negros presidiários são considerados melhores partidos.

    • Isso me causa alguma estranheza, afinal como eu sou branco (mestiço com uma quantidade razoável de sangue indígena) eu nunca vi outros brancos ficarem incomodados quando alguém da família se relaciona com orientais. Por mais que às vezes uma ou outra piada contada em reuniões familiares acabe realmente causando constrangimentos, isso já é outra história.

    • Vc está incomodado que estejamos em transição, de um povo pacato e submisso, para um povo guerreiro e competitivo.

    • Quem disse que a competitividade dos japoneses é coisa recente?

    • Sei muito bem que não é, mas orientais brasileiros, erroneamente considerados japoneses no Brasil, são por vezes invejados e não admirados por conta disso, e fazem de conta que temos apenas atributos pejorativos para nos inferiorizar, sei também, que assim como aconteceu e acontece com o negro, vcs não aceitarão isso pacatamente, partirão para agressões, conflitos étnicos e crimes de ódio contra orientais serão comuns nas próximas décadas, pois estamos deixando de ser pacatos e submissos.

    • Acho menos provável que ocorram conflitos étnicos com os orientais, pelo menos tomando por base pelos orientais que eu conheço. E olha que, além de nikkeis, eu acabo tendo algum contato com chineses e coreanos com relativa frequência.

    • Acontecerá pois não partirá dos orientais os conflitos, simplesmente andando nas ruas haverá agressões, espancamentos de orientais, tentativas de linchamento por parte de grupos quando verem orientais nas ruas em locais ermos, etc, a partir do momento que perceberem que não mais iremos tolerar determinadas coisas, haverá retaliação, é um caminho que infelizmente teremos de trilhar na luta contra o racismo.

    • Algo como o caso do chinês Vincent Chin? Aquele que foi assassinado por ex-funcionários da Chrysler que confundiram ele com um japonês? Acho pouco provável que situações semelhantes voltem a ocorrer simplesmente pela motivação racial.

    • Muito pelo contrário mesmo conseguindo ascenção financeira e profissional ainda somos alvo constante de racismo diariamente, estamos ainda no mesmo patamar do negro na década de 40 no que diz respeito ao combate ao racismo.

    • Mundo afora pode ser, no Brasil ainda nos encontramos em um estado de domesticação racial, em que se chega ao ponnto de se formos vistos na rua nem sequer nos consideram suspeitos de ter praticado um roubo, etc, e isso não é por nos considerarem honestos para não roubar ou cometer delitos, mas porque nos acham tão incapazes e ridículos que sequer seríamos capazes de roubar.

    • Até tem uma quantidade relativamente grande de ONGs e outros grupos focados nas populações de origem oriental, mas pelo visto eles tem mais o que fazer do que ficar mendigando reverências imerecidas sob qualquer pretexto racial e preferem conquistar o respeito e a admiração através do trabalho e da cultura.

    • Se conforme que com o tempo conquistaremos também a igualdade racial, mesmo que demore, se te incomoda, nada posso fazer. Ou vc é branco ou um negro egoísta que só pensa em si próprio, isso eu já percebi.

    • Esse lance de “igualdade racial” é uma ilusão, basta observar as medidas meramente paliativas que já foram implementadas e no fim das contas só acirram o ódio como as políticas de cotas raciais nas faculdades públicas. E eu continuo achando que vale mais a pena a comunidade nipo-brasileira continuar se fazendo respeitada através do trabalho e da cultura como vem fazendo desde a chegada dos primeiros imigrantes japoneses em 1908. Ficar mendigando um suposto “respeito” na base de chantagens como fazem alguns que se dizem representantes de um “movimento” negro não seria produtivo, e é por isso que eu considero mais digna a posição de algumas entidades mais voltadas às populações de origem oriental. E talvez até os estatutos de algumas dessas organizações, mais voltadas ao auxílio mútuo nas respectivas colônias, acabe inibindo uma articulação política semelhante à dos “africanistas”.

    • Vc está é incomodado com a ascenção social do oriental, quer nos manter no atual estado de domesticação racial em que nos encontramos.

    • Nunca me incomodou a tal “ascenção social” do oriental, nem quero manter uma suposta “domesticação racial” com relação a orientais. O que me causa surpresa é ver alguns orientais se rebaixarem em nome dessa histeria “politicamente-correta” atual.

    • Como ficou bem esclarecido, muito pelo contrário não estamos nos rebaixando, estamos nos igualando e não mais aceitando sermos rebaixados.

    • Igualdade não existe.

    • Sabemos que somos tratados como inferiores, a diferença é que as novas gerações de orientais não mais estão dispostas a aceitar isso pacatamente.

    • Nunca presenciei qualquer situação em que um oriental fosse tratado como inferior, e os que eu conheço não se veem como “inferiores”. Embora um tratamento hostil aos orientais tenha realmente ocorrido em outros momentos, como na época da II Guerra quando japoneses foram perseguidos e em alguns casos até forçados a se mudar para longe do litoral paulista, agora é difícil até achar um branco que aceite de bom grado situações em que um oriental seja inferiorizado.

    • Racismo contra orientais acontece diariamente em todos os espaços, desde redes sociais a qualquer outro espaço, o fato dos orientais ainda terem vergonha de admitir isso e a sociedade não reconhecer isso não prova que não existe:https://www.youtube.com/watch?v=vJ7a5eDHtP0&t=60s

    • Não precisa ser oriental, negro, indígena ou qualquer raça específica para tomar providências quanto ao crime de injúria qualificada.

    • Sei muito bem disso, só estou mostrando que agora os orientais estão mudando de postura, estamos deixando de ser aquele povo pacato e submisso que aceita esse tipo de coisa mudo e calado e ainda pede desculpa por ter sido cuspido na cara, e no caso foi injúria racial e não simplesmente injúria qualificada.

    • Injúria racial não deixa de ser uma injúria qualificada, assim como outras injúrias com base em condições como deficiência física, nacionalidade e por aí vai.

    • Não estamos nos rebaixando, estamos enfim nos impondo, deixando o estado de domesticação racial que lhe agrada.

    • Pois é, aqui no Brasil somos japoneses e no Japão, somos brasileiros. Precisamos achar nossa identidade. O autor desse post, tentou ser a favor dos orientais, mas não favoreceu a nada. Não ajudou, só transpareceu às piadas que ouvimos no dia a dia.

    • Senão falarmos sobre como acontece, que acontece e porque acontece não poderemos acabar com isso, tem que transparecer sim, não ajudar nada é adotar a postura da negação da realidade social , isso é covardia e omissão, foi a postura dos nisseis, por isso estamos na merda comparados com os negros.

    • Muito coerente, oportuno as explanações do Fernando Parabens.

    • Na verdade, já vi inúmeras notas de protestos de associações nikkeis inclusive contra piadas de mau gosto que saíram da boca de certas personalidades conhecidas.
      O caso mais recente que conheço é o do humorista Léo Lins do “Agora é Tarde” que teve até o visto para o Japão cancelado após fazer piadas sobre o terremoto de 2011.

    • É de se admirar o exemplo não apenas dos nipo-brasileiros, mas também dos sino-brasileiros e coreano-brasileiros, cujos ancestrais na maioria das vezes vinham numa condição bastante precária e em poucas gerações já contribuem e muito para a sociedade brasileira ao invés de ficar passando o chapéu e procurando um bode expiatório para tentar “justificar” um eventual fracasso. E realmente, durante a 2ª Guerra os japoneses já estabelecidos no Brasil comeram o pão que o diabo amassou com as nádegas mas nem por isso nós vemos eles ou os descendentes pleiteando qualquer regalia a título de “reparação”.

  4. Gostei da ideia, mostrar o preconceito no mundo é algo realmente importante. Mas também é importante ressaltar que nem sempre é preconceito… falar sobre o idioma ser difícil é algo fora desse pleito, já que cada um sabe da sua dificuldade. É preconceito dizer que aprender a tocar violino é difícil? E é preconceito dizer que o som é feio se simplesmente não agrada aos meus ouvidos? Pensando direito não acha que há uma forma de denegrir qualquer idioma que não seja o seu quando você imita um sotaque? E por que seria preconceito o uso de palavras aleatórias japonesas (se há uso de palavras aleatórias de muitos outros idiomas)?
    Outra coisa… quando se vai escrever um artigo, use o mínimo ou principalmente não use palavrões, isso empobrece o texto e desqualifica o argumento.
    Também não use de argumentos de cunho pessoal, normalmente eles não são válidos, ou só serão válidos se forem levados a fundo, como uma filosofia de vida.
    E jamais, nunca, nunca mesmo, defenda uma opinião usando um argumento que anule a sua opinião… você destroi a sua argumentação quando aborda um tema como preconceito e usa um argumento preconceituoso.
    Asiáticos são lindos, a linguagem, para mim é extravagante, a comida é diferenciada da nossa e eu não sei muita coisa sobre a cultura deles. Mas isso não faz de mim uma racista, faz de mim uma faminta por conhecer o estranho (uso da palavra para o que não é conhecido).
    E achar que japoneses e seus descendentes são pessoas inteligentes não sei se denota bem uma ideia preconceituosa, visto que é mais para uma generalização, mas sem dúvida pode ser visto como algo que eles não gostam… Afinal de contas, lá fora o Brasil é visto como o País do Futebol e o lugar do samba no pé… muitas vezes somos vistos como calorosos e carismáticos… pra muitos isso é elogio, mas tem sempre gente que não gosta, né?

Comentários do site