Cultura

Shodo – A arte da caligrafia japonesa

Shodo – A arte da caligrafia japonesa

Shodo (書道, Caminho da escritura) é a arte da caligrafia japonesa que usa um pincel para pintar caracteres individuais, palavras ou poemas curtos. A maioria dos japoneses estudaram shodo na escola e têm uma apreciação por essa arte.

Essa arte é produzida através da escrita com o sumi (tinta preta) e um pincel, sobre papel, utilizando caracteres japoneses ou chineses. A arte da caligrafia é considerada uma metáfora para a própria vida, assim, alternam-se pinceladas fortes com outras mais delicadas, variando o efeito conforme a velocidade, a cor da tinta, a pressão sobre o papel, o intervalo entre traços e o próprio material utilizado.

A arte da escrita surgiu na China a mais de 3 mil anos aproximadamente em 1.300 a.C durante a dinastia Yin. Foi introduzido no Japão no final da dinastia Yuan e veio avançando ao longo da história do Japão.

O Hiragana foi criado graças a arte do Shodo. Os Kanjis deformados pelos artista do pincel deram origem a formas mais arredondadas e mais simples, que inspiraram os criadores do Hiragana.

Tempos modernos

Hoje em dia o Shodo ainda é bastante valorizado, alguns dedicam toda sua vida nesta arte, acontece diversas competições de todas as idades para valorizar a arte. Em todo mundo pessoas têm despertado o interesse na arte do Shodo.

Os primeiros imigrantes japoneses que vieram ao Brasil em 1908, já trouxeram a arte do Shodo. Além disso, era comum trazerem na sua bagagem, exemplares da arte caligráfica desenhados por artistas, para adornarem as paredes da nova casa. No ano de 1975 que o Shodo ganhou um grande impulso no Brasil, com a “Exposição da Arte Caligráfica Moderna do Japão”.

Vida de calígrafo

Pode parecer algo simples, mas exige concentração, a pessoa tem que estar inspirada e deve ter pratica, alguns são colocado em treinamentos intensos desde a infância.

A vida de calígrafo não é tão simples. Não é simplesmente escrever letras em um papel, os materiais para praticar o shodo tradicional são caros, na maioria das vezes lojas preferem imprimir um shodo digitalizado, e até alguns profissionais economizam usando tinta e papel barato.

Além escrever e participar em campeonatos, um calígrafo costuma dar aulas, também trabalha com faixas, cartazes e placas para vários fins, sempre que há necessidade ou preferência pela escrita manual com em alguns festivais, eventos tradicionais e lojas típicas. Assim que um praticante de shodo sobrevive.

Assim como um pintor, o objetivo do mestre de Shodo é provocar sensações e sentimentos nas pessoas que vêem suas obras. Como todo artista, o grande desafio do calígrafo oriental é não apenas dominar a técnica e as regras, mas ser capaz de ir além delas e desenvolver um estilo próprio. Para conhecer mais como é a vida de um artista de shodo recomendamos o anime Barakamon.

Princípios e Técnicas

Tensho 篆書 – É o estilo de escrita mais primitiva e arcaica, de onde se originou todas as outras.

Reisho 隷書 – Escrita clerical – É uma simplificação do Tensho.

Kaisho 楷書 – Linhas retas. Sua forma é mais quadrada e suas linhas são retas, firmes e precisas.

Gyosho 行書 – Semi cursiva. São escritas feitas de forma rápida e com linhas suaves e arredondadas e traços semi sequenciais.

Sosho 草書 Cursiva, Itálico. Chamada também de escrita de capim. A escrita é feita de forma impetuosa, rápida e sequencial.

Ferramentas

No shodo, um número grande de ferramentas são utilizadas para fazer a arte da escrita.

Suzuri ( – tinteiro) – Utensílio que serve para acondicionar a tinta. São feitos de pedra e possui também uma concavidade onde fica um pequena quantidade de água, que será usada para diluir o bastão de tinta.

Fude ( – pincel) – Existem vários tipos, tamanhos e espessuras. As pontas são variadas e os pelos utilizados são de ovelha, carneiro, texugo e outros.

Sumi (  – bastão de tinta) – Tinta à base de carvão. Pode ser na forma sólida, sendo necessário ser diluído em água e em líquido, já pronta para o uso. Porém, a arte tradicional recomenda-se que se use o sólido, pois a preparação e diluição da tinta é vista como um momento de concentração, onde o artista busca a inspiração para compor a arte. Quanto mais velho melhor, os melhores tem 50 a 100 anos de idade.

Bunchin (文鎮 – peso de papel) – Ajuda a manter o papel imóvel para facilitar o artista, impedindo possíveis erros caso o papel se mova, geralmente ele é feito de ferro ou cerâmica.

Shitajiki (下敷き – pano) – Para colocar debaixo do papel para evitar que a tinta vaze e suje o local. (pode ser substituído por  jornal)

Washi (和紙  – papel de arroz) – É um papel especial, feito com as fibras de arroz, bambu ou das folhas de bananeira. É feito artesanalmente e não utiliza componentes químicos. Isso faz com que sua durabilidade seja extremamente superior ao papel comum.

Alguns costumam carimbar suas obras com um selo japonês.

Vídeos

Quer entender um pouco mais sobre a arte do shodo? Para encerrar deixamos alguns vídeos abaixo:

 

 

 

 

Foto de perfil de Kevin
Sou criador de conteúdo na internet, e web designer. Gosto muito do Japão e seu idioma, por causa de sua cultura rica e unica. Curto animes, doramas e jogos clássicos e desconhecidos.

Senha perdida

Register

Bem vindo ao Suki Desu!

Olá aqui é o Kevin administrador do site e gostaria de convida-lo apenas uma vez a curtir nossa página do Facebook e convidar a conhecer o Japonês Expresso. Estamos sempre preparando conteúdo do Japão para você!

Conheça o novo curso de japonês expresso clicando aqui.