Cultura / Japão

Curiosidades sobre o Aborto no Japão

Curiosidades sobre o Aborto no Japão
Compartilhe nas redes sociais:


O aborto (中絶 – Chūzetsu) no Japão é legalizado desde o ano de 1948. Felizmente o Japão têm uma taxa de gravidez indesejada bastante pequena. Não é comum discussões religiosas, ou morais em torno da liberação do aborto, a única preocupação do governo é que isso ajuda a diminuir a taxa de natalidade japonesa que é um grande problema.

O Japão só permite o aborto com consentimento da mãe e se for por um motivo valido. Qualquer pessoa que tentar praticar ou induzir o aborto sem o consentimento da mãe ou utilizando métodos clandestinos e não autorizados, podem ser punidos e presos.

Historia do Aborto no Japão

O Japão têm uma longa historia sobre o aborto, ele já foi proibido por muito tempo de 1842 até 1923. Depois deste ano os médicos tinha permissão para realizar o aborto em casos de emergência em que colocava a vida da mãe em risco. Depois da segunda guerra mundial o Japão sofria escassez de alimento e acabou legalizando o aborto.

Atualmente, o aborto é amplamente aceito por mais de 70% da população no Japão, isso não significam que eles concordam em abortar, apenas não têm problemas com a lei que permite o aborto e acha que é opção da família decidir tal ato. Outro grande fator é que os japoneses não possuem o costume de se intrometer na vida e decisão dos outros, eles acham falta de respeito e educação ir contra uma opinião alheia.

Vale lembrar que a pratica do aborto é algo que acontece a muitos séculos no mundo todo. Antigamente utilizava-se métodos absurdos como chutar a barriga da mãe, expor a grávida ao frio intenso e etc. Aconteceram vários casos bizarros de aborto e assassinatos de bebes que fizeram o governo decidir a legalização do aborto, um deles foi uma parteira que acabou matando centenas de bebes recém-nascidos, com falso argumento de estar preocupado com a condição das famílias em criar os bebes.

Aborto sem motivo não é permitido no Japão, mas…

Outra coisa que muitos acabam confundindo, é que o Japão não permite o aborto por qualquer motivo. O aborto no Japão está disponível apenas para mulheres em circunstâncias limitadas, com saúde comprometida ou dificuldades econômicas. Porém, os médicos licenciados que supervisionam e realizam o aborto, fazem vista grossa para essas regras. Sendo assim qualquer mulher pode utilizar um simples pretexto para abortar sem ter problemas com a lei.

De acordo com a lei japonesa, você pode abortar caso:

  • A gravidez foi um resultado de estupro.
  • Não tem condições financeiras para sustentar o filho.
  • Pode comprometer a saúde da mãe.
  • Pode prejudicar a saúde mental ou psíquica da mãe.
  • Não tem condições mentais para cuidar de uma criança.

Dados sobre o aborto no Japão

Os números mostram que os médicos e as famílias não são honestas em relação aos motivos permitidos para o aborto. Cerca de 250 mil abortos acontecem no Japão por ano, é impossível que esse numero seja de mães com problemas. Acredita-se que a cada 1.000 mulheres grávidas no Japão, 40 abortam. Vale lembrar que os números nunca são exatos, já que médicos acabam ocultando esses números para não pagarem impostos ou para abortar sem motivo valido.

O Japão possui a menor taxa de gravidez na adolescência do mundo. Apenas 4 a cada 1.000 gestações são de garotas com menos de 19 anos. Dos abortos que acontecem no Japão, apenas 8% pertencem a jovens com menos de 20 anos. Uma das coisas que acabam levando as adolescentes a cometer o aborto, é a discriminação com jovens grávidas.

Curiosidades sobre o aborto

Você provavelmente já ouviu falar sobre os Kokeshi, que são bonecos de madeira bastante populares como enfeites e lembranças. Esses bonecos originalmente eram usados por famílias que tinham tido um aborto (natural ou induzido). Eles eram colocados na casa para representar a criança não-nascida e assim tentar reparar o mal que fizeram.

No Japão também há muitos templos dedicados aos “mizuko” que significam “crianças da água”, mas uma das explicações para a origem etimológica dessa palavra é que usando outros kanji mas mantendo a mesma leitura, essa palavra pode significar “crianças não-vistas” (porque não chegaram a nascer). Muitas mulheres que praticaram abortos vão a esses templos para rezar pelas almas dos filhos abortados, como uma maneira de pedir perdão e reparar o erro. Quando eu estive viajando ao Japão eu encontrei isso no templo próximo a Torre de Tokyo (Veja foto de destaque no topo do artigo).

Minha conclusão sobre o assunto

Eu fiquei bastante aliviado em saber que perante a lei o aborto por qualquer motivo é proibido, é uma pena que essa regra não é totalmente aplicada com firmeza e muitos abortos são cometidos por motivos futeis. A verdade é que o aborto no Japão é um assunto bastante delicado e eu infelizmente não tive tempo de abordar nem metade do assunto. Apesar do Japão permitir o aborto, é curioso citar que mesmo no Brasil sendo proibido, acontecem mais de um milhão de abortos por ano.f



Compartilhe nas redes sociais:
  • Kaneki. GoD.

    kra mais de 100000 de abortos por ano. de todas as mulherres gravidas 99% sao de adolescentes no brasil haha pais tranzudo da porra

  • Taiki Ryouko

    Muito boa a matéria! Direto ao assunto sendo imparcial. Coisa difícil de se ver hoje em dia.

  • Vanda

    Boa noite Gostaria de saber se brasileira ficar grávida de japonês sem ele quer, e obrigatório faz aboto.

  • kevin

    Obrigado xD

  • kevin

    Obrigatório não…. Isso é decisão da mãe…

  • Juscelina Saito

    Em qualquer hospital faz isso?

  • glayson rodrigues

    achei interessante ser a mãe japonesa a dar o aval
    para pratica no pais , mesmo apos a legalização